Quem está Online

Temos 11 visitantes em linha

IMG_2023

IMG_2019


Freguesia do concelho de Vinhais, distrito e diocese de Bragança.
Padroeiro – Santo André.
Dista da sede do concelho 12 quilómetros.
Havia nesta freguesia uma mina de ouro, denominada “Lomba Grande”.
Da própria toponímia se nota que o povoamento do território desta freguesia é muitos superior ao século XII, com o que concordam os vestígios de povos assaz antigos na região (como fortificados, castrejos, etc).
Antes da Nacionalidade, quando a toponímia e antroponímica local, em especial Tuizelo , surgiu esta região, devia incluir-se num dos dois grandes “Pagi” de Bregantia ou de Senabria, preferivelmente o primeiro, por estar mais vizinho das povoações actuais que os representam ou que perpetuam os seus nomes.
Entre os mais expressivos e antigos topónimos locais figuram, pela sua importância histórica, Nuzedo, alusiva à vegetação terrena onde abundam nogueiras, corrobando na freguesia com o significado de Nuzedo.
Quadra, talvez antroponímica, ser, pelo menos, susceptível de filiação germânica. Tuizelo que, apesar dos tratadistas o não mencionarem, deve ser o próprio nome pessoal de origem germânica “Teodicellus”. Apesar de mal compreendido sempre, trata-se de um nome histórico, que foi de um rei visigótico da Península.

No século XIII, parece tratar-se ainda de um “vilar” no termo da recém fortificada vila de Vinhais, cujo concelho parece ter dado parte a um cavaleiro-fidalgo “Aires Pais”, reinado de D. Sancho II, talvez para se livrar de maiores violências.
No tempo de D. Afonso III, outro cavaleiro-fidalgo, Diogo Fernandes, faz Paço em Tuizelo e este cavaleiro e seus irmãos ameaçaram os “homens do Rei” locais, colonos da coroa, a fim de que repartissem com eles os seus prédios pela força.
Quanto à cristianização, é natural crer-se na antiguidade pré-nacional da igreja de Santo André e na ermida de Santa Maria, que deu nome ao ribeiro que aqui passa.
Esta ermida foi reconstituída nos meados do século XVI pelo povo e fidalgo, como Gonçalo de Morais Sarmento, talvez descendente da nobreza local medieval, da honra de Tuizelo.
É de obra de dimensões relativamente bastas e dentro dela ficou uma fonte, cuja água o povo havia por santa (o que deve ser prolongamento de culto pagão que pode ter existido neste local e a que sucedeu o cristão). Na reedificação do século XVI, ficou sendo Santa Maria invocada por Nossa Senhora dos Remédios, talvez porque tinha fama de os dar a fonte “Santa” local.

O culto da virgem na península remonta já aos tempos apostólicos, em que Nossa Senhora , ainda viva, apareceu ao apóstolo S. Tiago que orava na margem do rio Ebro, em Saragoça. Vemos , portanto, que o culto da mãe de Deus, da Virgem Maria, foi introduzido na península, com a evangelização dos primeiros discípulos que espalharam a Boa Nova, percorrendo velhos caminhos e estradas romanas.
Algumas informações toponímicas que andam misturadas com as outras localidades e foram recolhidas por Frei Agostinho de Santa Maria no “Santuário Mariano”, no primeiro quartel do século XVIII, relativamente ao Santuário de Nossa Senhora dos Remédios de Tuizelo.

Sabe-se que a Virgem, primitivamente, teve na Ribeira de Santa Maria a sua ermida. A “Corografia Portuguesa” de Carvalho da Costa, quando fala de Tuizelo diz “... Em uma ribeira deste lugar está uma Ermida de Nossa Senhora dos Remédios aonde se faz feira todos os sábados”.
Isto mesmo é confirmado pela lenda, quando numa das aparições à pastorinha, em que assustada caía por terra, no lugar dos Pereiros, junto da Ribeira de Santa Maria, Nossa Senhora lhe diz: «Não tenhas medo, eu sou a Virgem dos Remédios!».
A lenda vai espraiando-se e cumprindo-se a vontade da mãe de Deus, um novo templo é construído em honra de Nossa Senhora dos Remédios, pelo 3º quartel do século XVIII.
Na verdade, ainda hoje, quase à beira da estrada, lá está a Capelinha do Santo Cristo, cuja festividade se celebra anualmente, no 1º Domingo de Maio.
Quanto à igreja, ela foi do padroado dos Arcebispos de Braga, ficando para os de Miranda – Bragança, após a criação desta diocese.
A mitra ainda no século XVIII apresentava o reitor de Tuizelo com 42 mil réis de renda, além do pé de altar.

 

(Textos de Maria Jacinta Fernandes Reis - Presidente da Junta de Freguesia)

brasao

N.º de Habitantes: 505 hab

Eleitores: 562

Área: 34,80 Km2

Densidade populacional: 
14,5 hab/Km2
Distância a Vinhais: 12 km

INFO_TUIZELO

As Freguesias de Vinhais